Câmara discute ações para promover a segurança pública

Foto:Ivana Gravina

Vereadores discutiram com autoridades a crescente violência no município.

A sensação de impunidade e insegurança experimentada pela população macaense levou os vereadores Maxwell Vaz (SD) e Robson Oliveira (PSDB) a propor um debate sobre medidas para aumentar a segurança pública. Ações integradas entre as polícias civil, militar e federal, Corpo de Bombeiros, Marinha e Conselho Comunitário de Segurança Pública foram discutidas na sessão desta quarta-feira (16), na Câmara Municipal de Macaé.

Robson pediu providências para combater os constantes assaltos que acontecem diariamente por toda a cidade e os supostos incêndios criminosos que, recentemente, vêm tirando a paz dos comerciantes locais. “Esta madrugada tivemos o quarto incêndio. Desta vez, no quiosque Match Point, na Praia do Pecado. Precisamos de medidas urgentes e acredito que a melhor maneira de fazer isso é estabelecer ações de forma conjunta”.

O subcomandante do 32º Batalhão da Polícia Militar (32º BPM), tenente-coronel Marcelo Aredes, pediu o apoio dos parlamentares na implementação de medidas que podem auxiliar o trabalho da PM. Por exemplo, a transferência do serviço telefônico 190 para a Defesa Civil, Guarda Municipal ou outro segmento designado pelo Executivo. “Tenho um efetivo diminuto de 460 policiais para atender seis municípios. No passado, chegamos a ter o dobro. Mas se transferirmos o serviço 190, teremos mais policiais disponíveis para atender as demandas da população”.

De acordo com o tenente-coronel, a iniciativa privada tem ajudado bastante na manutenção e reparo das viaturas, mas ainda não é o suficiente. “Precisávamos de pelo menos 22 viaturas para atender toda a região, mas há noites em que tenho apenas seis circulando. Também seria muito interessante que elas tivessem GPS para um atendimento mais ágil e que o sistema de monitoramento de câmeras do município fosse expandido”, explicou Aredes.

Ainda segundo o subcomandante, uma parceria com a Guarda Municipal para o policiamento ostensivo poderia liberar parte do efetivo da PM para atuar em situações mais delicadas, como disputas entre facções criminosas, tráfico de drogas e crime organizado. Aredes também pediu apoio dos vereadores para aprovarem um projeto de lei que deve ser enviado pelo Executivo nos próximos meses. “Trata-se de um projeto que autoriza a prefeitura a fazer a locação de 25 viaturas para o 32º BPM. Diante da crise que enfrentamos no estado, considero uma boa alternativa para frearmos a criminalidade”.

Jornalista: Adriana Corrêa

Deixe uma resposta