Lagomar: Câmara aprova novo convênio para escola de nível médio

Foto:Ivana Gravina (arquivo)

Proposta foi questionada pelos oposicionistas.

   Por unanimidade, Legislativo macaense aprovou, na sessão extraordinária desta terça-feira (17), o Projeto de Lei (PL) 025/2019. A proposta, de autoria do Executivo, estabelece nova cooperação entre a prefeitura e o Estado, visando continuar a construção do Colégio Carlos Walter Marinho Campos, no bairro Lagomar, para o ensino de nível médio.

Legislação semelhante já havia sido aprovada em abril deste ano. Manifestantes apresentaram um cartaz cobrando escola com “curso técnico, bilíngue, com ênfase no petróleo e gás”.

Líder da oposição, Maxwell Vaz (SD) diz que a obra, por parte do Estado, está em licitação. “O PL não revisa o prazo proposto naquele que votamos em abril e o local está depredado”. Ele afirma que a verba adicional prevista não será suficiente. “Não se trata de continuar a obra, mas de recuperar o que se perdeu com o abandono e, depois, dar continuidade”.

Marcel Silvano (PT) enfatizou a grande população do Lagomar, segundo ele, de 50 mil pessoas, e o fato de o bairro ficar longe de outras escolas do nível médio. Ele lamentou os deslocamentos que os jovens precisam fazer para estudar e também referiu-se à votação de cinco meses atrás. “Foram destinados R$ 6 milhões para esse investimento e nada foi feito”.

“População deveria respeitar o patrimônio público”.

Silvano sustentou que o PL não define os papéis da prefeitura e do governo estadual no termo de cooperação. E também lembrou o prazo. “Como não houve revisão, vigorando o que está na proposta, essa escola teria que ser entregue daqui a três dias”. Presidente da Comissão Permanente de Educação, Marcel disse que deu parecer para não prosseguimento do projeto.

Julinho do Aeroporto (MDB) concordou que o local está em mau estado e enfatizou que é preciso “pedir à população que respeite o patrimônio público”. Segundo Julinho, “não é por que o local está abandonado que as pessoas podem depredar”. Ele também frisou que a fiscalização deveria se fazer mais presente. “E é necessário não cobrar só da prefeitura, mas também do Estado”.

Já o presidente Eduardo Cardoso (Cidadania) afirmou que a chance de o colégio ser concluído é por meio do governo municipal. “O estado não fará isso porque faliu e não dá conta nem de comprar munições, que é a prioridade do governador”. Márcio Barcelos (MDB) concordou: “Os royalties estaduais dos próximos 15 anos estão comprometidos com dívidas.” 

 

Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support