Executivo veta projeto das bolsas Ideb e Falta Zero

Foto:Ivana Gravina

Gelinho diz que governo tem de obedecer à Lei de Responsabilidade Fiscal

O governo teve aprovado pela Câmara de Macaé, nesta quarta-feira (27), o veto integral ao Projeto de Lei (PL) 011/2019, do próprio Executivo. A legislação concedia benefícios aos servidores da Educação que não tivessem falta durante o ano e que estivessem lotados em unidades com bom desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

A justificativa do Executivo para a rejeição do PL deveu-se a emendas parlamentares que ampliaram o alcance do projeto aos demais profissionais da administração municipal.

Oito vereadores votaram contra o veto e sete a favor, mas ele foi mantido porque essas iniciativas do prefeito só podem ser derrubadas com nove votos, a maioria absoluta dos 17 parlamentares.

Foi a segunda vez, no mesmo dia, que o plenário aprovou veto contra possibilidades salariais. Emendas de Maxwell Vaz (SD) haviam ampliado o alcance da Falta Zero para todos os funcionários da prefeitura. Outra de Marcel Silvano (PT) possibilitavam que servidores com faltas justificadas e com processos administrativos não concluídos fossem beneficiados pelo PL.

Marvel Maillet (Rede) observou que não foram vetadas apenas as emendas, mas o projeto integralmente. Maxwell comentou: “Talvez tenha sido porque o governo prometeu o que não podia cumprir, mesmo na proposta inicial”. Seguiu-se intenso o debate, no qual foi lembrado que os vereadores da situação presentes na votação do PL aprovaram as emendas.

Ex-líder de governo, Julinho do Aeroporto (MDB) comentou: “Naquele dia, treze vereadores se pronunciaram favoráveis às mudanças. O que há de errado hoje que já não houvesse antes?”

Defesa do veto

Márcio Barcelos (MDB) rebateu. “Continuo entendendo que a extensão dos benefícios para todos os servidores seria melhor. Mas compreendo que já temos 17 mil servidores, com professores, médicos e enfermeiros ganhando os melhores salários da região”, afirmou, considerando o grande número de funcionários na prefeitura com relação a outras cidades.

O líder governista, Cristiano Gelinho (PTC), que não estava na votação do projeto, acrescentou, defendendo o veto. “O governo precisa obedecer a Lei de Responsabilidade Fiscal, que limita os gastos com a folha de pagamento”.

Os trabalhadores presentes protestaram contra os discursos a favor do veto.  Jornalista: Marcello Riella Benites

Deixe uma resposta

Libras
Acessibilidade com Libras

VLibras

O conteúdo do Portal da Câmara Municipal de Macaé pode ser traduzido para a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) através da plataforma VLibras.

Clique aqui (ou acesse diretamente no endereço - http://www.vlibras.gov.br/) e utilize a plataforma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support